quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Tudo sobre nada...

Um pouquinho do que não sei e mais uns causos.


Escrevo este texto ouvindo "Mina do Condomínio", na voz de Seu Jorge. Só para ambientar... (Foi uma escolha acidental. Eu estava assistindo a um vídeo da Julia Petit e ela falou a palavra condomínio, o que me fez ir ao youtube procurar por essa música do Seu Jorge.)


Hoje é só mais um dia nublado e chuvoso na minha querida Irlanda, país que me adotou tão bem, quatro anos atrás. Desde que cheguei aqui deixei bem claro que não sou mais publicitária, algo que talvez nunca tenha sido. Larguei a profissão, larguei freelas, e aceitei tranquilamente a minha última demissão (ocorrida apenas duas semanas depois que me divorciei). Sobrevivi e vim em busca de férias. 

Sem planejamento, acabei transformando dor em amor; excesso de peso em longas caminhadas para pensar em nada.

A vida sempre me surpreendeu, mas desde que cheguei na Irlanda as coisas foram bem mais profundas e edificantes. E eu sou grata a cada passo dado. Foi aqui que decidi largar um passado que não me fazia feliz, e tentar, na medida do possível, ser serena, tranquila.

Por isso gosto de escrever. Me liberta de mim, do meu passado, do futuro, e me coloca no presente.
Essa sou eu, dona Bruna. Mãe da Alma, esposa, grávida, e amante das palavras. E, por mais que eu não escreva tanto como eu gostaria, amo cada espaço, cada vírgula, e sou a prova viva de que tudo está conectado em algo, que se conecta em outro algo, e que nos mostra que não estamos no controle de tudo. 


quinta-feira, 28 de julho de 2016

Sing Street: um filme irlandês que você precisa assistir

Depois que a Alma vai dormir, eu e o Aaron temos o nosso "me time". É a chance do casal se reconectar, conversar e ter uma vida, digamos, mais tranquila. E nosso passatempo preferido é assistir a filmes e séries. Fazemos tanto que até enjoa de vez em quando, mas pelo menos deixa nossa lista de "o que indicar aos amigos" cada vez maior. A dica de hoje é o filme Sing Street.

Alerta: se você for pesquisar sobre o filme em sites brasileiros, provavelmente vai ler algo como:

"Um jovem, que cresce nas efervescentes ruas da Dublin da década de 80, foge de casa e da nova escola mudando-se para Londres e começando uma banda para tentar conquistar o coração de uma garota misteriosa." Retirado do Adoro Cinema.

Por favor, minha gente... de onde tiraram essa tradução?

.......

O filme conta a história de um garoto de 15 anos, Conor, cujos pais estão passando por uma crise financeira (fato bem comum na Irlanda dos anos 80) e à beira do divórcio. Forçado a mudar de escola e, durante as semanas de adaptação em um ambiente bem diferente do que estava acostumado, acaba se apaixonando à primeira vista por uma garota misteriosa. Para impressioná-la, monta uma banda com seus novos amigos e aí o filme se desenrola de um jeito tão bacana que eu deveria parar de falar por aqui. Só para não estragar nada!

Mas como sou a louca dos spoilers, vou continuar...

O filme é todo ambientado em Dublin - e arredores - e tem uma fotografia bem fiel do que é a cidade. Durante o desenrolar das cenas, eu só pensava em como escolheram dias lindos para gravar. Para quem não sabe, a Irlanda é um país com raros dias de sol. Mas mesmo assim, sabendo do clima tão instável que existe aqui, tirei o chapéu para os produtores da película. Conseguiram mostrar o lado LINDO que a ilha esmeralda tem.

Gostei muito também da trilha sonora e de como Brendan, irmão mais velho de Conor, é uma inspiração musical para o irmão. Se você gosta de música boa, vai se apaixonar por cada nota.

A história tem começo, meio e fim e não se perde em nenhum momento. Dá para entender tudo, vivenciar cada passo do protagonista, e fica uma vontade bem grande de poder ir ao show da banda deles (podia ser real!). Mas o filme é muito mais do que um sonho adolescente recheado de boa música e, de quebra, você pode conhecer um pouco mais do sotaque ultra-carregado dos dublinenses do norte.

Ao final, só posso dizer que tive a sensação de que "esse filme foi tão bom que vale a pena escrever sobre ele".

Taí a dica!
Assistimos ao filme via streaming e recomendamos muito!

Se assistir, deixa um comentário aqui contando o que achou.


Abraços e até o próximo post,
Bruna Taaffe

P.s.: Como vocês já sabem, estou à procura de um nome para meu filho e, para minha surpresa, este filme é um prato recheado de nomes irlandeses. Conor, Brendan, Eamon, Darren... Infelizmente nenhum me encantou!

terça-feira, 26 de julho de 2016

Semanas 29, 30 e 31 - como não escolher o nome do seu bebê

Se você está na dúvida sobre qual nome dar ao seu filho, não espere conselhos de mim. Eu estou mais confusa que cego em tiroteio. Não sei para que lado vou! Pelo menos o Aaron está ao meu lado e não fico tão perdida. Aliás... somos dois perdidos. rs

Nome é algo muito complexo para nós. E acho que esse post já está chato demais. Deixa essa questão pra lá. Vamos comentar sobre as 3 últimas semanas dessa gravidez mais fofa do mundo.

Aliás, para escrever esse post direitinho eu deveria assistir aos vídeos das respectivas semanas. Já esqueci tudo! rs  Mas como não tenho tempo para isso, vou contar o que ainda guardo na memória.

Foram 3 semanas sem nada de muito especial. O bebê está mexendo bem mais, e me deixando com falta de ar na maioria das vezes. Sinto bastante que o pequeno tá de cabeça para baixo, e corpo mais voltado para o lado esquerdo da minha barriga. Finalmente, já no fim da 31ª semana, comecei a ir ao banheiro dezenas de vezes por dia. Isso só comprova que o baby tá descendo para o canal de saída!

Meu nível de energia está cada vez melhor e devo isso ao ferro que tenho tomado duas vezes ao dia. Graças a Deus achei um que não me dá constipação! Yeah!  Fora isso, tenho me alimentado bem, apesar de que tem dias que estou com apetite zero, mas tudo se deve a como o baby se posiciona aqui dentro. Não é fácil, minha gente!

Fora a falta de nome, tá bem. Eu é que tenho pensado muito em como ele vai ser. Branquinho, moreninho, pretinho, cabelo loiro, preto, olho azul, castanho... É tanta mistureba no meu lado brasileiro que vai ser difícil imaginar como ele vai ser (e pode ser qualquer coisa!). O melhor é esperar nascer, né? E o pior... só depois de vários meses é que dá pra ver como esses pequenos vão ser. Afinal, bebê nasce tudo com cara de joelho mesmo.

--
Meu canal no Youtube está à sua espera. Clique aqui e se joga no blá-blá-blá.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Nem só de maternagem vive este blog

Ainda, bem que não! Falar só sobre maternidade me deixaria maluca. Afinal, só me interessei mesmo por esse assunto porque tive filho. Caso contrário eu talvez estaria falando sobre turismo na Europa ou como para mim a publicidade é um saco. Taí algo que seria mais interessante e daria mais ibope.

Talvez isso seja algo sobre o qual eu precise falar: ser mãe não é "deletar" seu próprio eu antes de dar a luz. E não é mesmo! Por mais que minha vida tenha sido inundada com temas sobre maternidade e tudo que inclua gerar-parir-educar-amar, eu não posso me resumir a isso. Eu tenho 30 anos de vida, então tem muita coisa incluída aí nesse meio.

E esse blog vai ser uma mistura de tudo. Já me cansei de criar blogs que fracassaram, justamente porque tentei separar tudo por assunto, e aí eu perdia interesse pelo assunto e o blog morria. Esse blog vai ser tudo e mais um pouco. Então se você tem interesse sobre maternidade, sinta-se em casa. Mas se você não tem interesse algum por isso, fique à vontade também. Vou servir pratos deliciosos recheados de outros temas que gosto. Viagens, comidinhas, vida fora do Brasil, aprendizado de uma segunda língua, no caso o Inglês, e por aí vai.

E se você que já me conhece de outros blogs, não tenha vergonha de deixar um comentário, ok? Eu nunca mordi e não vai ser agora que vou perder a linha. Prometo que a maternidade não me enlouqueceu (ainda).

Um beijo e até mais!

Bruna Taaffe


28 semanas de gravidez e sobre como fazer o tempo voar

Como se eu tivesse uma bola de cristal, eis que decidi escrever um post revelador. Eu descobri um jeito de fazer o tempo voar! É só fechar os olhos, respirar fundo, e pimba! Estou no hospital, com meu bebê dois nas mãos. Que delícia! Opa.. Opa... acorda, Bruna!

Acho que quando eu chegar nas 30 semanas de gravidez eu vou ficar mais tranquila, porque aí os dígitos ficam menores e a contagem regressiva menos dolorida. Estou a 12 semanas de completar as 40 benditas e longas semanas que me separam do bebê. Sabe-se lá se esse vai se antecipar como a Alma, que nasceu 4 dias antes, ou se vai se atrasar e chegar até 14 dias depois da data prevista, que é dia 27 de setembro.

Mas como eu já disse, sem bola de cristal não dá para prever. Moro num país onde não se decide o dia e a hora em que o bebê vai nascer, então só me resta contar carneirinhos todas as noites, e visualizar horas que voam.

Completei a semana 28 sem muitos problemas, sem muitas dores. Estou feliz com isso. Na gravidez da Alma eu trabalhava tanto, o dia todo, 10 longas horas de um trabalho quase que escravo e sem pão e circo. Dessa vez estou mais tranquila, mas a minha tarefa agora é suprir a Alma de pão e circo, o que também cansa.

Tive consulta com o obstetra e depois de passar 3 horas no hospital, vi que tudo está bem. Estou tomando vitaminas e extra sulfato ferroso para ver se minha anemia dá uma melhorada. Inclusive, falei disso com o médico. Que os resultados dos meus exames de sangue sempre voltam alterados, com tudo escrito "low", indicando que estou quase morrendo (ha ha). Mas sempre tenho que lembrá-los de que esses valores vêm super baixos porque eu tenho anemia talassêmica (no meu caso é algo que não me causa problemas algum). E anemia nem sempre é carência de ferro. Por favor, aprendam isso!

Exame de urina ok, pressão sanguínea ok. Pronto.

O bebê está com a cabeça pra baixo, o que ainda não quer dizer nada. Ele pode mudar de posição em um minuto. Mas fiquei feliz de saber que a maior parte do tempo sinto soluços lá embaixo, perto da saída... ha ha.

Foi muito gostoso ouvir os batimentos cardíacos do bebê dois, e saber que tudo está se desenvolvendo bem. Eu diria: aparentemente bem. No hospital que vou, ultrassom só é feita às 12 semanas de gravidez, e outro às 34 semanas para conferir se está tudo ok com a placenta. Mamães ultra-ansiosas não podem querer ter filhos na Irlanda, vou logo avisando. A gente sempre pensa que o ultrassom vai detectar tudo de ruim caso o bebê tenha algo, mas aqui na ilha esmeralda se a urina está ok, pressão está ok, e os exames estão ok, barriga crescendo como esperado, e batimentos cardíacos do bebê ok, não há necessidade de se preocupar.

Mais uma semana que se passou, mais um vídeo que postei no youtube. Então se você tem paciência, dê um pulinho lá para ver minha barriga.


Um beijo e até a próxima!
Bruna Taaffe



segunda-feira, 27 de junho de 2016

27 semanas de gravidez

Dois terços da minha segunda gravidez já se passaram. Parece mentira, mágica, ou um presente divino. Claro que tem dias que passam arrastados, mas olhando para trás e vendo que já entrei no terceiro e último trimestre, tenho que assumir que o tempo voa. 

E falando em tempo que voa, é uma pena eu não ter registrado em texto nem a minha primeira gravidez, muito menos essa. Graças ao youtube e à minha perseverança, tenho vários registros on-line e isso me deixa mais feliz. Faz um bem danado assistir tudo de novo e ver como fui evoluindo semana a semana, até quando a Alma nasceu, até quando engravidei de novo, e agora, quase na iminência de ter meu segundo bebê. 

Gravidez não é fácil. Eu assumo que na vez da Alma eu estava empolgadíssima, feliz da vida e não parava de sonhar com o "nunca visto antes". Agora eu tenho sentido que meu corpo tá diferente, meu rosto mudou, até meu cabelo já não é mais o mesmo. Imagina o que aconteceu com meu cérebro então! 

Não que dessa vez eu não esteja feliz. Mas cada gestação é de um jeito e influencia nossa vida de uma forma diferente. Dessa vez estou mais madura, tenho a Alma para cuidar, e não posso me dar ao luxo de deitar na cama por 24 horas quando isso é a única coisa que o corpo quer. 

Falando nisso, na primeira vez, parei de trabalhar quando eu estava com 27-28 semanas. Eu também estava exausta naquele ano, super-ultra-power cansada, doida para relaxar e ficar em casa. Dessa vez eu não trabalho fora, portanto não tenho que gastar horas dentro de ônibus, indo e vindo, e assumo que minha rotina com a Alma é muito mais calma do que quando eu era babá em Dublin. Mas ser mãe e dona de casa é um dos mais complexos trabalhos que existem, anote isso. 

Porém, agora moro no interior, no meio do mato, se escuto barulho é de trator, passarinho cantando, vaca mugindo, ou alguém cortando a grama. Porque agora é verão e todo mundo corta a grama o tempo todo, parece coisa de doido. 

Mas mesmo tudo sendo mais tranquilo, a gravidez ainda é algo que exige muito de mim. Tem dias que estou ótima, disposta, cheia de energia. Tem dias que só quero cama e silêncio. Nem sempre tenho o luxo de conseguir os dois, mas quando o Aaron está em casa ele faz tudo que pode, e o que a Alma deixa, e eu consigo relaxar

Completo hoje 27 semanas carregando esse meninão que vai trazer ainda mais alegria para nossa vida. Segundo meu livrinho, da cabeça aos pés meu herdeiro já mede cerca de 33 centímetros e pesa 870 gramas. O útero já cresceu tanto que encosta na minha caixa torácica o que explica minha falta de ar dependendo do jeito que sento no sofá (principalmente à noite!). 

Minha perna esquerda não doeu mais como nas semanas passadas, mas tenho descansado cada vez que sinto que estou exagerando (ou no tanto que fico em pé, ou sentada). Como tenho registrado essa gravidez no youtube desde o primeiro trimestre, convido você a dar um pulinho no meu canal e conferir de pertinho como estou. Clique aqui e vá direto para meu cantinho!

Um grande beijo e até semana que vem,

Bruna Taaffe

Bem-vindos!

Oi, todo mundo!

Sejam bem-vindos ao meu novo blog.
Depois de 4 anos morando na Irlanda, grávida do segundo filho, cheia de ideias na cabeça, eis que resolvi criar (de novo!) um blog. Torçam para que dessa vez eu consiga manter o ritmo e não abandone mais uma vez esse projeto de escrever. Porque se tem algo nessa vida que gosto muito é de compartilhar.

E daí surgiu o Memórias na Irlanda. Não tenho plano algum de fazer dinheiro com esse blog, portanto nada do que eu postar aqui vai ser relacionado a algum produto ou marca. Se, eventualmente, eu resolver falar de algo do tipo, vou deixar claro que não é jabá! A ideia é registrar minha vida morando longe do Brasil, escrevendo em português (preciso manter a língua viva!), e compartilhando com meus conterrâneos como pode ser interessante contar o que se vive.

Fiquem ligados nas atualizações, pois meu plano é postar algo novo pelo menos UMA vez por semana.


Um grande beijo,

Bruna Taaffe

--

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...